Doses de vacina contra gripe acabam em Marília

Vacinação para todos termina antes de começar

O Ministério da Saúde divulgou que a partir de segunda-feira (3) a vacinação contra gripe seria aberta a todos, mas não enviou doses suficientes para isso aos municípios.

 

A empolgação foi substituída pelo fiasco quando a população encontrou as unidades de saúde da rede básica completamente desabastecidas.


Embora o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tenha feito pronunciamento abrindo a campanha contra gripe para todos, a Prefeitura esperou o fim da semana para se comprometer com decisão federal.

 

E reforçou que as doses para todos os interessados (dentro ou fora do público-alvo) seriam as remanescentes.

 

Ou seja, as que sobraram. Isso porque na última sexta-feira a Central de Vacinas só tinha 300 vacinas e não recebeu mais.


A Central de Vacinas é que faz a distribuição para as unidades de saúde da rede básica de Marília. Sem estoque, os postos que ainda tinham uma ou outra dose, esgotaram as aplicações nas primeiras horas da segunda-feira.


Foi o caso da UBS (Unidade Básica de Saúde) Cascata, que começou a semana com apenas 30 unidades do imunizante.


“Distribuímos as senhas e aplicamos tudo que tínhamos logo cedo, mas o telefone tocou o dia todo. Pessoas querendo saber se havia vacina contra gripe e se podiam receber a dose”, contou a equipe de saúde do Cascata.


Na UBS Nova Marília não foi diferente. Ontem nenhuma dose pôde ser aplicada, mas ainda havia a expectativa de que mais doses chegassem via Estado.

 

“As funcionárias disseram que não tem mais vacina, mas me aconselharam a voltar para ver se o posto recebeu mais doses. Estou com asma e meu médico recomendou que eu tome a vacina”, contou a dona de casa Egenilsa Gomes, que esteve na UBS Nova Marília ontem e voltou pra casa sem ser imunizada.


Município depende de remessa da União ou do Estado


A Secretaria Municipal da Saúde divulgou ontem que atingiu cobertura vacinal de pelo menos 82% do público-alvo.

 

E avisou a população que, para imunizar as demais pessoas (que não se encaixam nesse público-alvo), depende de nova remessa da União ou do Estado.


Entre os dias 11 de abril e 29 de maio foram feitas 62.823 vacinações, que corresponde a 80,72% do público-alvo.

 

E ainda há o cálculo estimado das doses aplicadas pelos postos de saúde a partir dessa data.


O Município fez uma reserva de vacinas para as crianças que necessitam de segunda dose (de seis meses até um ano de vida), assim como para os idosos acamados que ainda não foram vacinados.

 

“Com exceção destes públicos, novas imunizações dependem agora da remessa de mais doses pelos órgãos responsáveis”, frisou a responsável pelo Programa de Imunização do Município, Renata Rodrigues Plácido.