Dengue tem 626 casos e 3.257 suspeitos

Marília está com 626 casos confirmados de dengue neste ano até o momento, 98 a mais que há dez dias. E a contagem soma ainda 3.257 registros de pacientes com suspeita da doença, aguardando resultado da análise ou parados no Instituto Adolfo Lutz, que suspendeu o envio de resultados há quase um mês. O balanço epidemiológico foi atualizado ontem, ainda sem incluir mais de dois mil casos suspeitos,

Marília está com 626 casos confirmados de dengue neste ano até o momento, 98 a mais que há dez dias. E a contagem soma ainda 3.257 registros de pacientes com suspeita da doença, aguardando resultado da análise ou parados no Instituto Adolfo Lutz, que suspendeu o envio de resultados há quase um mês.
O balanço epidemiológico foi atualizado ontem, ainda sem incluir mais de dois mil casos suspeitos, que aguardam confirmação do Instituto Adolfo Lutz. O laboratório parou o envio de resultados em função da grande demanda do estado.
O Município segue o controle da doença por meio de laboratório privado, contratado para essa finalidade desde 21 de maio. “A medida (contratar laboratório privado) foi necessária em função do não fornecimento dos kits necessários ao instituto público de referência (Lutz). Em respeito ao cidadão, o Município se viu obrigado a assumir uma responsabilidade que não era sua, a fim de executar ação de vigilância referente à dengue em Marília”, mencionou a Secretaria Municipal da Saúde.
Em relação às coletas anteriores, que já tinham sido enviadas ao Adolfo Lutz, a Saúde Municipal esclarece que serão amostras de pacientes de abril. A SMS solicitou prioridade quanto às pessoas com suspeita de dengue que estiveram internadas por terem sido quadros mais graves.
Mesmo as amostras mais antigas são conservadas pelo Instituto Adolfo Lutz pelo tempo necessário, sendo possível a realização do exame quando possível.
O protocolo de dengue prevê tratamento de pacientes mesmo diante da suspeita. Não se aguarda resultado de exame para o devido atendimento, nem para as ações iniciais de bloqueio da doença, reforçadas na região de moradia da vítima quando há a confirmação laboratorial.
Entre os 3.257 suspeitos de dengue há pelo menos duas mortes, número que foi confirmado pela Saúde Municipal. Desde o dia 20 de maio a UPA integra o plano de contingência do Município, com um protocolo especial de dengue.
Houve aumento de pacientes na unidade em pelo menos 11% por conta da doença. O dado é o do mês de abril.  O objetivo do protocolo especial de dengue, no atendimento da UPA, é agilizar o diagnóstico e os cuidados, evitando agravos. Até então a unidade oferecia o primeiro socorro emergencial às pessoas com suspeita de dengue e as encaminhava para a rede básica.