Gol transportará todas as seleções durante a Copa América 2019

A Gol é a companhia aérea oficial da Copa América 2019, principal competição de futebol do continente, que será realizada entre o próximo dia 14 e 7 de julho, em cinco cidades brasileiras.

 

 

A Gol é a companhia aérea oficial da Copa América 2019, principal competição de futebol do continente, que será realizada entre o próximo dia 14 e 7 de julho, em cinco cidades brasileiras.

Durante o período, a empresa será responsável pelo transporte de todas as seleções, incluindo a nacional, entre São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre, por meio de 50 voos fretados.

A Gol também realizará voos extras no período, facilitando a locomoção de torcedores que vão acompanhar aos jogos em diferentes estádios do País. Já para aqueles que não estarão nas partidas presencialmente, será possível ver a bola rolando ao vivo a bordo das aeronaves da companhia.

 

Empresa resultante da joint venture

 da Embraer e Boeing é rebatizada

como Boeing Brasil-Commercial

A empresa resultante da joint venture entre a Boeing e Embraer recebeu um novo nome: Boeing Brasil-Commercial. Ainda que a Boeing detenha 80% do negócio, a marca manteve o Brasil com “S” e o Comercial na grafia em inglês, com dois “m”.

Desde o fim da produção do 717, em 2005, a Boeing não dispunha de nenhum avião com capacidade inferior aos 130 assentos. Além disso, a fabricante jamais disputou o setor de aviação comercial regional com aeronaves a jato.

O interesse pelo mercado ocorreu após a Airbus adquirir o controle do programa CSeries, da Bombardier, e anunciar a instalação de uma planta industrial para o modelo nos Estados Unidos. Sem uma faixa de produtos altamente competitiva no mercado mundial, a Boeing corria o risco de ter suas ações menos valorizadas diante de sua maior concorrente.

O acordo entre a Boeing e Embraer foi assinado meses após a Airbus e a canadense Bombardier finalizarem um processo similar envolvendo o programa CSeries e prevê que a Embraer transferirá para a Boeing o controle de 80% de sua unidade de aviação comercial, responsável pela produção da família E-Jet e E-Jet E2.

A joint venture tem valor estimado em US$ 5,26 bilhões e não envolve as unidades de defesa e aviação de negócios da Embraer.

Futuro caça brasileiro também

poderá ser produzido no Canadá

A Saab poderá instalar uma unidade de produção do caça Gripen NG no Canadá, caso o governo de Ottawa opte pelo modelo sueco. A real força aérea canadense estuda a compra de novos caças, visando a substituição de parte da atual frota de CF-18 Hornet, que será aposentada em 2032.

O projeto de modernização da frota de caças canadense tem valor de 19 bilhões de dólares canadenses (US$ 14 bilhões) e inclui um extenso pacote de benefícios industriais garantidos para o país ou compensações comercial fornecida pelo vencedor. O pedido que pode chegar aos 88 aviões, pode envolver a construção de uma unidade fabril no Canadá, em processo similar ao adotado pelo governo brasileiro.

Globalmente a Saab se diferencia com a opção de produção local dos caças Gripen NG, como em recente anuncio que poderá instalar uma unidade na Índia, caso o modelo seja selecionado pelo país. O pedido indiano prevê a compra de 114 aeronaves, incluindo os Gripen E e Gripen F. A fabricante sueca afirmou que considera a Índia uma potencial parceria global de fabricação do Gripen.

O acordo firmado com o governo brasileiro inclui o país entre os fornecedores globais do Gripen NG. O pedido da FAB, para 36 aeronaves, incluiu a transferência de tecnologia e a produção quinze aeronaves no país, incluindo todos os seis Gripen F, de dois lugares. Uma unidade fabril foi inaugurada em maio de 2018, em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo, que será responsável pela montagens de seções dos futuros caças brasileiros. A produção final ocorrerá em Gavião Peixoto, no interior paulista, em anexo a unidade da Embraer.