Detento do semiaberto é vítima de tentativa de homicídio

Preso se envolveu com ex-mulher de integrante de facção criminosa e foi atacado por colegas de cela na penitenciária de Marília

 

O detento Victor Cardoso Ferreira, de 22 anos, sofreu uma tentativa de homicídio por colegas de cela na noite de sexta-feira (4) no regime semiaberto da penitenciária de Marília.

O crime teria motivações passionais e foi determinado pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Por volta das 10 horas, agentes penitenciários notaram fumaça saindo de uma das celas.

Ao abrir a porta, Ferreira deixou o local rolando com pés e mãos amarrados com toalhas. Os dois colegas – Valter Marques Fortunato e Kevin Guilherme Alves da Silva, ambos com 22 anos – saíram na sequência.

Ferreira relatou aos agentes penitenciários que sua morte teria sido ordenada pelo PCC por infringir o “Código de Ética” dos criminosos.

Ele teria mantido relacionamento amoroso com uma ex-mulher de um dos líderes da facção criminosa.

Ferreira disse ainda que foi dominado pelos dois companheiros de cela, que o amarraram com as toalhas, e na sequência atearam fogo em um colchão, onde pretendiam jogá-lo, mas o crime foi impedido pelos agentes penitenciários.

Os três detentos foram levados para o Hospital das Clínicas.

Ferreira e Silva receberam atendimento médico, foram liberados e regressaram para a unidade prisional.

Já Fortunato permaneceu internado por inalar muita fumaça. A reportagem do Jornal da Manhã não conseguiu informações sobre seu estado de saúde.

Silva e Fortunado foram indiciados pelo crime de tentativa de homicídio.

Se condenados, os detentos podem pegar uma pena de até 20 anos de prisão em regime fechado.