Câmara de Marília é uma das poucas que adota alta tecnologia para o levantamento patrimonial

 

 

Menos de 30 Câmaras Municipais de todo o Estado de São Paulo adotaram a tecnologia de ponta, conhecida pela sigla RFID, para a realização do levantamento patrimonial. Marília, a exemplo de Jundiaí, está entre neste seleto grupo de sedes Legislativas que recorreram ao moderno sistema para cumprir a Portaria Federal n.º 634, da Secretaria do Tesouro Nacional.

Conforme a legislação vigente, municípios com mais de 50 mil habitantes, como é o caso de Marília, têm até 1º de janeiro de 2020 para concluir o levantamento patrimonial de todos os seus bens. O levantamento patrimonial é um mecanismo de gestão do controle dos bens públicos e tem por objetivo proporcionar maior eficácia possível tanto na utilização dos bens, quanto na sua anulação ou extinção. O controle rígido dos bens públicos previne e dificulta o extravio ou furto do patrimônio público, bem como facilita a identificação dos responsáveis por eventuais prejuízos.

A tecnologia RFID, adotada para o levantamento patrimonial em Marília, utiliza chip e catalogação fotográfica dos bens, o que gera um ponto de localização GPS, permitindo observar com 100% de exatidão a posição atualizada do bem registrado. Da mesma forma, facilita a conferência e checagem a qualquer momento. Os bens recebem uma etiqueta que permite uma leitura óptica. Trata-se do que há de mais moderno em inventário patrimonial no setor público. Da mesma forma, é possível atualizar periodicamente o valor patrimonial de todos os bens disponíveis no Legislativo. Medida serve tanto para o balanço ao final de uma gestão, quanto para composição de balanço anual dos bens disponíveis no órgão.

Transparência: outro ponto proporcionado pela exatidão da tecnologia RFID é a maior transparência para os cidadãos. É mais um ponto na clareza e cidadania, aproximando a comunidade com a estrutura do Poder Legislativo.