Editorial

                         Pacote anticrime nas redes sociais

 

Tem ficado bem claro que a oposição, formada principalmente pelo PT, PSol, PCdoB, REDE e PSB faz descarada defesa do crime organizado e da corrupção, que tem levado muita gente para a cadeia, inclusive o chefão da quadrilha petista, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, já condenado em dois processos (tríplex do Guarujá e o sítio de Atibaia). Ainda há outros processos na fila de condenações.

Lançada na última quinta-feira (3) pelo governo federal, a campanha do pacote anticrime foi alvo de um processo da oposição já na sexta-feira (4). Deputados como Marcelo Freixo (PSol) reclamaram ao TCU o uso de R$ 10 milhões de recursos públicos em anúncios para um projeto de lei que ainda está em discussão no Congresso, lembrando que a Constituição Federal estabelece critérios para a publicidade governamental.

Nesta terça-feira, o ministro do TCU Vital do Rêgo acatou o pedido da oposição através de uma medida cautelar que determina a suspensão imediata da campanha. A decisão ainda pede que a Secretaria de Comunicação da presidência da República apresente o "fundamento legal utilizado e justificativas para lastrear a realização de despesas com a campanha". A decisão de Vital do Rêgo, porém, é provisória e ainda será avaliada pelo plenário do TCU.             

Mas, independentemente dessa decisão, começou um vigoroso movimento em favor do projeto de Sérgio Moro de combate à corrução e ao crime organizado. Parlamentares do PSL prometem resistir a essa decisão. A ideia é continuar divulgando os vídeos da campanha nas redes sociais. "Eu fiz campanha de graça. Eu vim de graça. Então, presidente Bolsonaro e ministro Sergio Moro, nós faremos suas campanha de graça. Toda a campanha do pacote anticrime do ministro Sergio Moro está nas nossas redes sociais. Espero que vocês compartilhem o máximo que puderem", anunciou a senadora Soraya Thronicke (PSL) durante a sessão do Congresso.

"Vamos continuar a campanha do pacote anticrime pelas redes. O povo não aguenta mais tanta campanha pró crime nesse país", acrescentou a deputada Bia Kicis (PSL). A campanha foi compartilhada por milhares de internautas e fez a #EuApoioPacoteAntiCrime dicar entre os trend topics do Twitter na noite de terça-feira.

O vídeo divulgado pelos parlamentares defende o fim do benefício das saídas temporárias para os condenados por crimes hediondos, a chamada "saidinha" - dispositivo que foi confirmado na terça-feira como um dos itens do pacote anticrime de Moro pelo grupo de trabalho que analisa a matéria na Câmara. O vídeo argumenta que, "quando a lei não é rigorosa, quem é punido é a vítima". "É hora de ter um sistema mais ágil para combater os crimes violentos, o crime organizado e a corrupção. Pacote anticrime, a lei tem que estar acima da impunidade", conclui o anúncio.

 

 

 

COLUNA 2

 

Represália 1

 

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou que não deve assinar diploma que será concedido ao compositor, cantor e escritor Chico Buarque pelo Prêmio Camões, o principal troféu literário da língua portuguesa. Na entrada do Palácio da Alvorada, o presidente foi questionado se firmaria o documento. Primeiro, ele respondeu que a sua decisão é um “segredo”. Depois, disse que tem até 2026 para assinar o diploma, cuja cerimônia de entrega está prevista para abril de 2020.

 

Represália 2

 

“É segredo. Chico Buarque?”, disse. “Eu tenho prazo? Até 31 de dezembro de 2026, eu assino”, respondeu, fazendo alusão à reeleição. Seu mandato termina em dezembro de 2022. O valor total do prêmio é de € 100 mil (em torno de R$ 447,3 mil), dividido entre os dois países. A parcela da condecoração que cabia ao governo brasileiro já foi depositada em junho. O diploma, no entanto, ainda não foi assinado por Bolsonaro. Chico é petista declarado e tem feito críticas a Bolsonaro!

 

Sem moral

 

A Câmara Municipal de Mococa (SP) rejeitou um projeto de para dar o título de “Cidadão Mocoquense” ao governador João Doria. Foram 7 votos favoráveis, mas a aprovação dependia de 10 votos positivos. Durante a sessão, o vereador Elias de Sisto (PR), autor da proposta, lamentou: “O governador está sem moral”. “O que ele deu para Mococa até agora? Nem na eleição para pedir voto, ele veio”, rebateu o vereador Eduardo Barison (PV).

 

Bloqueio

 

A defesa do ex-presidente Lula pediu a suspensão da cobrança de multa e da reparação de danos no processo do tríplex no Guarujá até que ocorra o trânsito em julgado da ação (quando não há mais possibilidade de recursos). O petista está com bens bloqueados por ordem da Justiça e ainda não pagou essas quantias. A juíza Carolina Lebbos determinou que Lula faça o depósito em juízo das penas pecuniárias impostas no processo - que, em valores atualizados, chegam a R$ 4,9 milhões.

 

Perguntinha

 

Quanto ainda vai sobrar da dinheirama da corrupção abiscoitada por Lula?