Marília apresenta novo estudo nos Estados Unidos

Hipotireoidismo leve, que em geral não é tratado, aumenta em até duas vezes o risco de insuficiência renal crônica

Por Ana Carolina Godoy / Foto Divulgação

Marília levou um novo estudo sobre tiroide aos Estados Unidos. A médica Daniella Muniz mostrou que o hipotireoidismo leve e inicial, que em geral não é tratado, aumenta em até duas vezes o risco de insuficiência renal crônica.

A profissional é aluna de Mestrado na Famema e desenvolveu a pesquisa sob a orientação do endocrinologista José Augusto Sgarbi, docente e vice-diretor da Faculdade.

Em estudos anteriores, Sgarbi já publicou o risco aumentado de infarto agudo do miocárdio e de acidente vascular cerebral em pacientes com hipotireoidismo subclínico. Agora o mesmo acontece em relação às complicações renais.

E o estudo da médica Daniella Muniz, aluna do Mestrado Saúde e Envelhecimento da Famema (Faculdade de Medicina de Marília) mostrou ainda a relação da doença renal crônica com o aumento dos níveis do TSH, hormônio estimulador da tireoide. Mesmo em indivíduos com função tireoidiana normal.

A pesquisa integrou o 89º Congresso Americano de Tireoide, realizado em Chicago, Estados Unidos, de 30 de outubro a 3 novembro, e aumenta a atenção dos médicos com os pacientes que tenham hipotireoidismo subclínico.

“O tratamento não está indicado a todos pacientes, mas cada caso deve ser analisado individualmente por um endocrinologista. Porque o hipotireoidismo, mesmo quando associado ao termo “subclínico”, pode apresentar desfechos desfavoráveis, tanto no sistema cardiovascular quanto no sistema renal”, avaliou José Sgarbi.

Para a pesquisa, foram recrutados 1.110 indivíduos de ambos os sexos com idade média de 56 anos.  A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) deu o suporte financeiro.

16º Congresso Internacional de Tireoide

O endocrinologista de Marília e vice-diretor da Famema, José Augusto Sgarbi, integra o Comitê Organizador do Programa Científico do 16º Congresso Internacional de Tireoide. Esse evento científico será realizado em Xian, China, de 8 a 13 de setembro de 2020.