Em seu primeiro DVD, Sérgio Ricardo enfoca trilha sonora de sua carreira

Artista nascido há 87 anos em Marília recebe convidados como Dori Caymmi, João Bosco e Alceu Valença na gravação ao vivo de show retrospectivo

Cantor e compositor nascido em Marília há 87 anos com o nome de João Lutfi em 18 de junho de 1932, Sérgio Ricardo costuma ser injustamente mais lembrado no universo cultural nacional por ter quebrado o violão no palco do III Festival de Música Popular Brasileira e arremessado o instrumento na plateia que o vaiava e o impedia de cantar o samba autoral Beto bom de bola na emblemática competição musical de 1967, mas, na verdade, deveria ser mais associado à produção como cineasta, iniciada em 1961 com a filmagem do curta-metragem Menino de calça branca.

Daquele ano até 2018, mesmo com um longo hiato de três décadas em sua carreira cinematográfica, além de uma dezena de curtas, dirigiu quatro longas-metragens - Esse Mundo é Meu (1964), Juliana do Amor Perdido (1970), A Noite do Espantalho (1974) e Bandeira de Retalhos (2018).

Além de dirigir, Sérgio Ricardo compôs músicas para filmes próprios e alheios, fazendo parceria com grandes diretores como Glauber Rocha (1939-1981) na trilha sonora do clássico Deus e o Diabo na Terra do Céu (1964).

Editado pela gravadora Biscoito Fino, o DVD Cinema na Música de Sérgio Ricardo exibe o show com as músicas que o artista compôs para cinema, captado em outubro de 2018 em apresentação num teatro de Niterói (RJ).

O show foi roteirizado para exibir imagens dos filmes - amostras do talento do irmão caçula de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi (1936-2016), como diretor de fotografia, enquanto o compositor cineasta reapresenta a trilha sonora de toda uma vida com o reforço vocal dos filhos Adriana Lutfi, João Gurgel e Marina Lufti.

Entre os convidados ilustres, saudado pelo anfitrião ao som de João Valentão (1953), Dori Caymmi canta Barravento (1964). Alceu Valença reativa a veia de cantador nordestino para ecoar a Canção do Espantalho (1974) e o Tema da Posse (Noite de luar), composições da trilha sonora de A Noite do Espantalho, filme de Sérgio Ricardo no qual o artista pernambucano atuou como ator e cantor.

Geraldo Azevedo, diretor musical e intérprete de temas da trilha original desse filme de 1974) e João Bosco, que canta o politizado samba Zelão (1960), composição dissociada do cinema de Sérgio Ricardo mas incluída no roteiro pela relevância na carreira musical do artista, também ajudam a montar a retrospectiva da engajada trilha sonora da vida de Sérgio Ricardo.

Com informações de Mauro Ferreira, jornalista carioca que escreve sobre música desde 1987 e faz um guia para todas as tribos, com passagens no jornal O Globo e revista Bizz.