Infectologista alerta para risco do HPV. Camisinha não previne

Vacina é disponibilizada na rotina dos postos de saúde, mas adesão é baixa

Ana Carolina Godoy / Foto: Divulgação

A infectologista de Marília, Luciana Pedral Sampaio Sgarbi, alerta a população para o risco do HPV. O vírus é sexualmente transmissível e causa vários tipos de câncer feminino e masculino. O preservativo não é eficaz neste caso. A vacina permanece disponível gratuitamente na rotina dos postos de saúde, mas a adesão é baixa.

O público-alvo compreende a faixa etária de nove a 14 anos.

Para meninas a idade é de 9 a 14 anos e a vacina entrou para o calendário nacional de imunização em 2014. Já os meninos foram incluídos na vacinação contra o HPV a partir de 2017, sendo que a idade alvo é de 11 a 14 anos.

A médica infectologista de Marília frisou que a pouca idade não tem relação com vida sexual precoce, mas sim com a faixa etária de melhor resposta do organismo ao imunizante. “Tanto que antes dos 15 anos bastam duas doses para proteção, e a partir dos 15 anos de idade são necessárias três doses”.

De acordo com o Ministério da Saúde, somente um em cada cinco meninos na faixa etária dessa vacinação já tomou as duas doses contra HPV. E entre as meninas o percentual de adesão é de 42%. A meta de cobertura do governo federal é de 80%.

O Jornal da Manhã solicitou números locais à Secretaria Municipal da Saúde, que ainda não respondeu. No entanto, a infectologista mencionou que a baixa adesão é um problema nacional e tem relação com a desinformação dos pais a respeito da disponibilidade da vacina e, principalmente, sobre o risco do HPV.

“O preservativo é muito eficaz contra o HIV (que causa a Aids) e outras DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis), mas não contra o HPV porque, nesse caso, o vírus não está no fluído sexual, e sim na pele e mucosa da área genital”, destacou a médica.

Luciana Sgarbi explicou que o contato prévio do casal é suficiente para a transmissão do HPV. “O que protege é a vacina, um imunizante totalmente seguro, sem vírus vivo”.

O HPV é a DST mais frequente no mundo e causa vários tipo de câncer, principalmente de colo de útero, de vulva, no pênis, anus e cavidade oral. A vacina é aplicada pelas unidades de saúde da rede básica pelo SUS.