1ª Turma de Fisioterapia retorna à universidade

Depois de 27 anos, os ex-acadêmicos voltaram ao bloco onde estudaram

Foto: Edio Junior

Nesse fim de semana foi realizado o 5º Encontro da 1ª Turma de Fisioterapia da Unimar. Os ex-acadêmicos se confraternizaram na Estância Breda, em Padre Nóbrega, na sexta-feira e no sábado. E ontem de manhã dedicaram um momento à nostalgia, voltando à universidade.

A turma de 1988 a 1992 levou 22 anos para fazer o primeiro encontro, que aconteceu em 2014. Cada confraternização tem sido realizada na cidade de um dos participantes. No ano passado o evento não aconteceu por questão de agenda e esta quinta edição de 2019, foi a primeira em Marília.

“A maioria não vive aqui e é muito emocionante voltar a nossa cidade universitária e à Unimar, que foi nossa casa por quatro anos”, disse o organizador dos encontros, Américo Antônio Pivello.

Pivello contou com o caçula da turma, Walmir Joaquim (conhecido como Massinha por sua turma de Fisioterapia), para a busca dos colegas. “As redes sociais foram fundamentais e depois fomos conseguindo atualizar os telefones. Nesse processo teve várias histórias curiosas, engraçadas e tristes também, cinco colegas já faleceram”.

Hoje a turma tem um grupo de whatsapp e se relaciona constantemente. Mas a participação nos encontros é mais rara. Dos mais de 60 formandos da 1ª Turma, cerca de 15 participam das confraternizações anuais.

A mais madura da turma, Agnes Irna Horn, participou neste ano pela primeira vez. O encontro em Marília facilitou porque ela vive na cidade. “mesmo morando em Marília só tinha voltado à Clínica de Fisioterapia da Unimar uma vez. É emocionante estar aqui e ter esse fim de semana de confraternização com meus colegas”.

Agnes contou que se formou em fisioterapia aos 48 anos e conviveu muito bem com seus colegas de sala na faculdade, mesmo a maioria sendo bem mais jovem. Ela era professora, mas sua carreira teve complicadores porque ela e a família passaram por muitas cidades por conta do trabalho do marido, e viveram também na Alemanha.

“Sou do Rio Grande do Sul e quando viemos a Marília era para ter sido temporário, mas se tornou permanente. Os filhos cresceram e me incentivaram a voltar a estudar. Achei que não fosse passar no vestibular, mas passei em primeiro lugar, me tornei fisioterapeuta e exerci a profissão. Foi muito gratificante”.

De volta à Universidade de Marília, os ex-acadêmicos foram recepcionados pelo coordenador do curso de Fisioterapia da Unimar, Mauro Audi, que também se formou na primeira turma. “Cheguei a trabalhar em Brasília, mas há 23 anos a Unimar é minha casa. Reencontrar meus companheiros de turma tantos anos depois e aqui no bloco de Fisioterapia é fantástico, muito emocionante”.