Editorial

Flexibilização necessária

 

É preciso reconhecer que o prefeito Daniel Alonso teve coragem e agiu na plenitude de seus poderes para defender a economia do município ao publicar decreto para a retomada de atividades essenciais do comércio. Daniel Alonso foi bastante criticado nos últimos dois meses dentro das exigências da quarentena imposta pelo governador João Dória. Ele tentou até mesmo na justiça a flexibilização do comércio local, mas também foi barrado, chegando até mesmo (e absurdamente) ser ameaçado de multa diária de R$ 100 mil pelo Ministério Público.


Pois bem, o prazo da quarentena do governador João Dória se expira neste domingo, dia 31 de maio. Passa a valer agora o chamado Plano São Paulo com a flexibilização de várias áreas do comércio em todo o estado. Acontece que Marília foi descaradamente prejudicada pelo governador na classificação por faixas coloridas indicando as restrições em cada uma. Inexplicavelmente João Dória “castigou” a região de Marília levando-se em conta, segundo ele, informações e dados da “ciência e da saúde” sem base alguma. Os números provam isso na comparação com outras regiões que foram beneficiadas pelo governador. Sem falar da “trapalhada” que fez em relação à capital paulista.


Por isso, a decisão do prefeito Daniel Alonso de flexibilizar a economia do município, inclusive com retaguarda de projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal, foi acertada. Nenhuma outra autoridade ou políticos que vinham criticando o prefeito, fizeram alguma coisa pela flexibilização.


É bom lembrar que os empresários, sindicatos e Associação Comercial e Industrial já vinham reclamando e pedindo um posicionamento favorável à flexibilização há algum tempo, mas o governador João Dória virou as costas para a cidade. A justiça também! Foi preciso esta decisão corajosa do prefeito Daniel Alonso para conseguir que a partir de amanhã boa parte do comércio retome as atividades para diminuir os prejuízos causados pela quarentena de João Dória. Comerciantes estão desesperados, sem conseguir cumprir os compromissos financeiros, inclusive com os empregados, sendo que boa parte já foi demitida. Acredita-se também que parte do comércio sequer conseguirá reabrir suas portas, já em estado de falência graças à falta de flexibilização do governo e da justiça. Além da extrema falta de bom senso!


O governador João Dória, o vice-governador Rodrigo Garcia e o secretário de Desenvolvimento Regional Marco Vinholi têm feito muita pressão sobre os prefeitos que reabriram o comércio há algumas semanas, como são os casos de Piracicaba, Bastos, Tupã e outras cidades. Certamente, vão fazer pressão sobre o prefeito Daniel Alonso, inclusive apelando mais uma vez para o Ministério Público e a justiça. Mas é preciso levar em conta que estarão todos contra uma população de mais de 230 mil habitantes, contra os empresários e podem desencadear uma grande revolta popular. Pode não ter precedentes! Todo cuidado é pouco e está na hora de usar o bom senso e não o enfrentamento. Afinal de contas, os empresários são cidadãos de bem, que estão com a corda no pescoço e confiam no bom senso da justiça e do Ministério Público. Afinal de contas quem quer ser responsabilizado pela quebradeira da economia do município e falência de empresas diversas no comércio local?