Mulher que humilhou fiscal no RJ é demitida

Por NORTON EMERSON (nortonemerson@gmail.com)/Imagem:reprodução TV Globo

 


 

A mulher flagrada, em uma reportagem do programa Fantástico, do grupo Globo, exibida na noite de ontem(5) atacando verbalmente um fiscal da prefeitura do Rio de Janeiro, durante uma operação, na Barra da Tijuca, foi demitida, após repercussão da matéria(clique aqui para ver o vídeo). 

 

Durante a abordagem, enquanto fiscais filmavam um bar onde se registrava várias irregularidades em relação à quarentena, ela atacou o superintendente da fiscalização, Flávio Graça: " Cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor do que você", enquanto seu companheiro filmava a conversa e exigia falar com "chefe" de Flávio, dando a entender que era ele quem pagava o salário dos fiscais. 

 

A mulher (que não teve sua identidade revelada), tem 39 anos, é engenheira química e trabalhava na empresa distribuidora de energia Taesa. 

 

Por meio de suas redes sociais a Taesa esclareceu que a sua ex-funcionária, não respeitou as leis que visavam diminuir os riscos de transmissão da covid-19 e que tomou conhecimento dos fatos após a exibição da matéria. 

Flávio Graça, a vítima dos ataques da mulher em questão, é Superintendente de Inovação, Pesquisa e Educação na Subsecretaria de Vigilância Sanitária da SUBVISA.

 

 

 É Doutor em Ciências Veterinárias na área de Sanidade Animal pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2007), Mestre em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1997) e Médico Veterinário formado em 1991 pela Universidade Federal Fluminense. 

Leia a nota da Taesa na íntegra:

 

"A Taesa é uma companhia comprometida com a segurança e a saúde não apenas de seus empregados, mas também com o bem-estar de toda a sociedade. Desde o início da pandemia da Covid-19, a Taesa implementou inúmeras iniciativas para proteger a saúde de seus profissionais e seus familiares, como o home-office para 100% do seu quadro administrativo, e a adoção de diversas outras medidas de proteção para as equipes que operam em campo.

A companhia não compactua com qualquer comportamento que coloque em risco a saúde de outras pessoas ou com atitudes que desrespeitem o trabalho e a dignidade de profissionais que atuam na prevenção e no controle da pandemia.

A Taesa tomou conhecimento do envolvimento de uma de suas empregadas em um caso de desrespeito às leis que visam reduzir o risco de contágio pelo novo coronavírus e compartilha a indignação da sociedade em relação a este lamentável episódio, sobretudo em um momento no qual o número de casos da doença segue em alta no Brasil e no mundo.

A Taesa ressalta que segue respeitando o isolamento e as mais rigorosas regras de prevenção ao coronavírus e que a empregada em questão desrespeitou a política vigente na empresa. Diante dos fatos expostos, a Taesa decidiu por sua imediata demissão".