Jornalista mariliense é vítima de golpe por falsa atendente da NET

Mulher inclusive informou números de documentos pessoais e endereço; site de reclamações registra outras vítimas do golpe

 

Por Izabel Dias 

O jornalista mariliense Jorge Luiz teve prejuízo financeiro após ter sido vítima de um golpe por telefone praticado por uma falsa representante na Claro/Net.  O boletim de ocorrência de estelionato foi registrado na Central de Polícia Judiciária de Marília na última segunda feira (06).

Jorge Luiz conta que no início de maio contratou o serviço de internet  da Claro/NET para sua residência e no dia da instalação do produto recebeu uma ligação de uma mulher identificando-se como atendente  da Claro/NET e informando que ele deveria pagar uma entrada referente ao pacote de internet no valor de R$ 29,90. A suposta atendente inclusive informou o número dos documentos pessoais dele e o endereço.

O jornalista informou o número de seu cartão de crédito para o débito do valor. Ele observou que desde junho estava sendo feita uma cobrança no valor de R$ 29,90 em seu cartão em nome da empresa ‘Martes Pet’, que ele não conhece e nem efetuou nenhuma compra. Jorge Luiz entrou em contato com a Claro/Net e foi informado que a empresa não liga para os clientes solicitando pagamento referente entrada pelos serviços.

Imediatamente ele entrou em contato com o banco através do serviço 0800 e solicitou o bloqueio do cartão de crédito, mas já haviam sido feitos dois débitos. O banco informou ao jornalista que não poderia estornar as cobranças, já que ele próprio forneceu o número do cartão para falsa atendente.

Em consulta no site “Reclame Aqui” o jornalista constatou que outras pessoas foram vítimas do mesmo golpe inclusive com a cobrança no cartão de crédito também em nome da empresa ‘Martes Pet’.  “Dessa forma, estou reclamando porque com certeza alguém de dentro da NET está vazando informações dos clientes para pessoas de fora que estão aplicando esse golpe. Exijo que providências sejam tomadas pois os dados dos clientes estão comprometidos e nossos endereços, telefones e documentos estão sendo expostos e enviados a terceiros que podem utiliza-los para qualquer finalidade”, disse uma das vítimas.

O jornalista Jorge Luiz afirma  que decidiu divulgar o fato para alertar outras pessoas a não caírem no golpe, já que a falsa atendente dispõe de dados pessoais como números de documentos e endereços, o que torna ainda mais difícil desconfiar se tratar de um golpe.

Em nota encaminhada ao Jornal da Manhã pela assessoria de imprensa a Claro/NET informou que: "Ações criminosas, como a descrita pela reportagem, afetam várias prestadoras de serviços nas mais diversas modalidades.  A empresa informa que sua área de atendimento não entra em contato com clientes solicitando número de cartão de crédito ou dados pessoais. Em caso de dúvida a respeito da abordagem feita em nome ou a serviço da Claro/NET, a operadora orienta o seu cliente a não fornecer nenhuma informação e entrar em contato com a central de relacionamento Claro, pelo telefone 10621 ou 1052, que funciona 24h. A ligação é gratuita.

“A Claro reforça que investe constantemente em políticas e procedimentos de segurança, adotando medidas rígidas para identificar fraudes e proteger seus clientes.  Ainda orienta que os consumidores acompanhem todas as dicas de segurança disponíveis no portal http://www.claro.com.br/seguranca," finaliza a nota.