Presidente da FPF não acredita em fim do estadual

Reinaldo Carneiro Bastos: “Os clubes de São Paulo não vão jogar R$ 300 milhões no lixo”

O anúncio da rescisão de contrato de transmissão do Campeonato Carioca e a consequente perda de R$ 18 milhões anuais para Botafogo, Fluminense e Vasco pode ser o início do fim dos estaduais no modelo que conhecemos. O presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, não acredita que a asfixia econômica por falta de investidores e de contrato televisivo chegue ao Campeonato Paulista.

“Os clubes de São Paulo não vão jogar R$ 300 milhões no lixo”, disse. Ele não fala exclusivamente do contrato de televisão, válido até o final de 2022. Os R$ 300 milhões citados envolvem também publicidade estática e tudo o que os clubes paulistas arrecadam com o estadual.

O ponto de vista de Reinaldo Carneiro Bastos é parte de um debate tratado na Folha de S. Paulo, nesta sexta-feira (10). Se houver asfixia econômica, vai mudar o modelo dos estaduais. Se não houver falta de dinheiro, o modelo pode permanecer. Na opinião do presidente da Federação Paulista, não há o risco agora de a base do calendário se transformar.

“Os campeonatos estaduais só vão terminar no Brasil quando acabarem os campeonatos nacionais na Europa. Porque nosso país é um continente”, afirmou Reinaldo Carneiro Bastos. Ele diz estar otimista, apesar de todos os problemas causados pela pandemia. Na visão dele, a crise reforçou a unidade entre os clubes para discutirem problemas básicos e que dizem respeito a todos.

No momento, os clubes têm mesmo debatido questões que envolvem contratos e acordos com a Conmebol, direitos de transmissão internacionais e Big Data.