Epidemia de dengue soma 1.443 casos

Descarte de lixo a céu aberto: proliferação do mosquito da dengue, contaminação do solo e abrigo para animais peçonhentos

Foto: Divulgação

 

Nos últimos 20 dias a Secretaria Municipal da Saúde contabilizou mais 38 exames positivos de dengue e descartou 122. Agora, a epidemia de 2020 soma 1.443 casos da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Ainda há 165 suspeitas aguardando confirmação laboratorial.

 

Neste ano Marília vive uma epidemia de dengue, um dos problemas causados ou agravados pela falta de cuidado ambiental. Na última semana a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Limpeza Pública pediu atenção ao descarte incorreto de lixo.

 

Objetos sem utilidades contaminam o solo e o lençol freático e servem como abrigo para animais peçonhentos, além de acumularem água, que é onde o mosquito da dengue se reproduz.

 

Não deixar água parada é a forma mais eficaz de controle da dengue. O Aedes aegypti se torna transmissor da doença ao picar alguém contaminado, levando o vírus para outras pessoas através da picada também.

 

A Prefeitura citou as ações já realizadas para melhorar as condições ambientais na cidade, como mutirões de limpezas, adequações e licenciamentos para o transbordo dos resíduos sólidos urbanos, construção de Estações de Tratamento de Esgoto e construção de ecopontos, além da educação ambiental.

 

Porém, os ecopontos ainda não estão funcionando e não há reciclagem de lixo no Município. A Administração mencionou nessa semana que, antes, foi preciso regularizar os problemas de coleta de lixo e limpeza da cidade e que os ecopontos estarão em funcionamento em breve.

 

O comportamento de parte da população também é um desafio, “realizando descartes incorretos, livrando-se do seu problema individual de forma irregular. A área pública pertence ao coletivo. O povo é o dono do patrimônio público. E esses cuidados geram despesas desnecessárias”, mencionou a Administração, se referindo à necessidade de limpeza de áreas abertas onde pessoas jogam lixo.

 

Denúncias de descarte incorreto podem ser feitas na Divisão de Fiscalização de Posturas pelo telefone 3402-6000. O descarte irregular de resíduos sólidos é crime ambiental e acarreta multas e demais penalidades previstas em Lei.

 

Cuidados para combater o mosquito


Entre as principais medidas de combate ao Aedes estão: remover galhos e folhas de calhas; recolher sacos plásticos e lixo do quintal; colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas; por pneus em locais cobertos; usar lonas bem esticadas para cobrir materiais de construção; e manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo.


Também é preciso tampar e verificar semanalmente vasos sanitários e ralos de pouco uso; manter caixas d’água bem fechadas; manutenção regular de piscinas e ar condicionado; lavar a vasilha e trocar a água dos animais; troca semanal da água de plantas aquáticas; e encher pratinhos de vasos com areia até a borda ou lavá-los uma vez por semana.