Rotarianos querem desenvolver o “Programa Hepatite Zero”

Num trabalho em conjunto com a Associação Brasileira dos Portadores de Hepatite (ABPH), os rotarianos de todo o território nacional terão a oportunidade de realizar um trabalho efetivo junto à comunidade, com o objetivo de alertar sobre a doença e promover a prevenção. Parceria neste sentido foi anunciada pelo Diretor do Rotary International, o empresário José Ubiracy Silva, associado do Rotary Cl

Num trabalho em conjunto com a Associação Brasileira dos Portadores de Hepatite (ABPH), os rotarianos de todo o território nacional terão a oportunidade de realizar um trabalho efetivo junto à comunidade, com o objetivo de alertar sobre a doença e promover a prevenção. Parceria neste sentido foi anunciada pelo Diretor do Rotary International, o empresário José Ubiracy Silva, associado do Rotary Club do Recife, no Distrito 4500 do Rotary International, que pretende colocar os mais de 2 mil clubes rotários brasileiros neste trabalho em benefício da humanidade. “A hepatite é uma doença silenciosa que precisa ser identificada o mais rápido possível e evitada quando conseguido”, falou em tom de preocupação ao promover o lançamento da campanha nacional. “Com a presença da ABPH nosso trabalho será simplificado”, acredita o dirigente rotário brasileiro ao firmar a parceria.

A Associação Brasileira de Portadores de Hepatite é uma organização não-governamental com objetivo de ser uma fonte de ajuda e informação para portadores de hepatite. “Nosso principal foco é divulgar informações para a comunidade sobre a existência da doença, assim como as causas e consequências”, disse Humberto Silva, presidente da ABPH. “Adquirimos uma grande quantidade de testes, e queremos chegar nos 3 milhões de testes, e identificaremos 45 mil portadores nos próximos 3 anos”, calcula o dirigente que é portador de hepatite. A parceria com o Rotary International no Brasil, visa disponibilizar esses testes para qualquer clube interessado. “Além disso, oferecemos acesso para tratamento e cura dos portadores de hepatite, por meio de diversas ações sociais”, comentou Humberto Silva, ao agradecer o envolvimento rotário na campanha.

Com os rotarianos brasileiros realizando os testes na comunidade, ao descobrir portadores da hepatite “B” ou “C”, ou até mesmo quem descobrir alguma doença autoimune, a ABPH, através do Rotary, oferecerá um atendimento de excelência, totalmente gratuito do início ao fim. “O Fibroscan permite diagnosticar a fibrose no fígado com mais precisão do que a biopsia”, explicou Humberto Silva. “O exame, além de não invasivo, capta as imagens do fígado por ultrassom, e dura de 5 a 10 minutos”, falou o presidente da ABPH que é portador da hepatite, além de ser rotariano. “Apesar de ser um exame caro no Brasil, ele é realizado gratuitamente nos consultórios da ABPH, assim como as consultas com o hepatologista”, completou o especialista.

Para o Diretor do Rotary International no Brasil este tipo de parceria e a atividade a ser desenvolvida pelos rotarianos, estão dentro dos objetivos rotários e de uma das ênfases da Fundação Rotária. “Os rotarianos farão o trabalho de articulação, preparando os locais para os testes e atraindo a comunidade”, comentou o dirigente rotário brasileiro que apresentou a proposta para todos os 38 governadores rotários brasileiros, em recente reunião realizada na capital paulista. “Quem quiser participar é só manter contato com a ABPH e iniciar a ação”, anunciou o dirigente ao disponibilizar o número telefônico (11) 3251-1888, ou através do endereço eletrônico: contato@abphepatite.org.br.